DAEV - Departamento de Águas e Esgoto de Valinhos

Troca é recomendada pelo Inmetro a cada cinco anos; substituição não tem custo ao morador

Hidrômetros são substituídos pelo DAEV

A partir desta segunda-feira, 2 de julho de 2021, o Departamento de Águas e Esgotos de Valinhos (DAEV) iniciou a substituição de hidrômetros no Condomínio Itamambuca. Já receberam esse mesmo serviço o Maria Regina, Sollarium, Itamaracá Mall, Vila Toscana, Oruam, Monte Carlo, Vila Brasiliana, Aldeia da Mata e Águas da Serra. Os trabalhos iniciaram em junho desse ano. Até o momento já foram trocados aproximadamente 200 equipamentos. 

Ao todo 13 localidades passarão pelos serviços, com estimativa de troca de 4,5 mil equipamentos até setembro. A execução da substituição é de total responsabilidade do DAEV, não gera custos para o consumidor e é uma ação que faz parte do Programa de Melhoria de Qualidade de Micromedição, da autarquia municipal. Também receberão os serviços o Condomínio Tabatinga, Vila Veneto e Terras do Caribe.

A recomendação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) é para que os hidrômetros sejam substituídos a cada cinco anos. A troca realizada pelo DAEV também atende às portarias nº 246/2000 e nº 295/2018, do Inmetro, que recomendam a troca periódica dos equipamentos. 

A substituição de hidrômetro somente pode ser feita pela autarquia municipal ou por pessoas credenciadas. Em caso de dúvida, o cidadão pode entrar em contato com a Central de Atendimento da autarquia para mais informações (telefone 0-8000-133-839).

Ação continuada

Em Valinhos o DAEV executa, rotineiramente, manutenções corretivas e preventivas em seu parque de hidrômetros. 

O engenheiro Márcio Arantes de Andrade, diretor da divisão de micromedição, explicou que a substituição se faz necessária visto que os hidrômetros estão sujeitos a uma série de circunstâncias que podem interferir na correta medição. “Como qualquer outro aparelho de precisão eles também estão sujeitos a desgastes que podem comprometer o seu pleno funcionamento. Desta forma, a troca visa garantir ao cidadão que haja em seu imóvel a medição correta do volume de água que é consumido”, disse.

A substituição tem sido desenvolvida em duas frentes de trabalho: a preventiva, que tem como enfoque a substituição dos aparelhos antigos ou que estejam defasados tecnologicamente; e a corretiva, que contempla a troca de aparelhos que apresentam algum impedimento de apuração do volume, seja vazamento ou que estejam parados, danificados ou com vidros embaçados.   

Compartilhe:

https://twitter.com/intent/tweet?url=